Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um CERN para o amor

por Manuel P., em 27.08.15

 

Há uma teatrilidade exacerbada nos dias dos amantes

as mãos geometricamente dispostas sob as leis da física

a actração magnética dos olhares

a polaridade exacerbada dos lábios.

 

E, no entanto, os métodos quânticos são incapazes de descrever os pequenos detalhes,

sim, porque o amor esconde-se nos detalhes mais infimos da quantica amorosa.

Ai a ciência não chegou por ora.

 

Há poemas exploratórios, tratados psicológicos e fisiológicos

opiniões de Freud e peças de shakespeare

seratonina produzida artificialmente

mas nenhum CERN para o amor.

 

E deveria haver um grande CERN para os amantes,

que procura-se a sua essência até à mais pequena partícula, qual bosão de higgs.

Porque se o bosão de higgs de é a particula de Deus e Deus inventou o amor

deve haver um rasto da sua fabricação,

e deve ser possível sintetizar e replicar o amor que um dia alguém sentiu

e usar a analítica, a física e a química e a quântica,

desfragmentar em pequenas partículas e voltar a juntar tudo novamente.

 

Talvez seja idiotice minha, mas deveria haver um CERN para o amor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D